saltar menu

SAPO Família - Article

logo impressão
Enfermeiros querem seguir grávidas de baixo risco

Enfermeiros querem seguir grávidas de baixo risco

Classe alega norma europeia para o efeito

Publicado a: 2011-08-29 00:49:13

Os enfermeiros querem passar a acompanhar grávidas de baixo risco, medida que dizem estar prevista numa norma europeia e que permitiria dispensar os médicos desta função e poupar "milhões de euros" ao Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Numa petição que defende o reconhecimento prático das competências dos enfermeiros especialistas em saúde materna e obstétrica, os enfermeiros apelam à aplicação de um decreto-lei de março de 2009.

Para o vice-presidente da Ordem dos Enfermeiros, Jacinto Oliveira, a petição não deveria ser necessária. O responsável refere-se a uma situação que "não faz sentido", adiantando que esta questão até está "consignada em normativo europeu e está atribuída no leque de competências dos enfermeiros especialistas em saúde materna e obstétrica".

A possibilidade de os enfermeiros seguirem as grávidas de baixo risco existe "de há longa data e poderia trazer vantagens ao Serviço Nacional de Saúde, referiu o responsável, em declarações à agência Lusa.

No entanto, "quando um enfermeiro faz o acompanhamento da gravidez e tem de prescrever meios complementares de diagnóstico, o SNS não os paga do mesmo modo do que quando é outro grupo profissional a prescrevê-los", explicou Jacinto Oliveira.

O bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, disse à Lusa desconhecer a petição, mas acrescentou que as grávidas são acompanhadas pelo médico de família ou nas maternidades de referência, o que considera uma "situação adequada às necessidades".

Aliás, a forma como tem funcionado o acompanhamento das grávidas parece ter "resultados excelentes" refletidos na evolução da saúde materna.

No entanto, o bastonário transmitiu disponibilidade para analisar a situação.

Na petição, que foi subscrita até agora por mais de 1200 pessoas, pode ler-se que esta "medida política permitirá uma poupança de milhões de euros no SNS", já que a mão-de-obra destes enfermeiros, "altamente qualificada para a vigilância da gravidez de baixo risco, é bem mais barata do que a de outros profissionais da saúde que também realizam essa mesma vigilância e não acarreta qualquer redução na qualidade dos cuidados prestados ou, até, poderá aumentá-la".

Por isso, é pedida a regulamentação da "comparticipação efetiva no SNS da vigilância autónoma" por enfermeiros especialistas da gravidez de baixo risco, bem como a possibilidade de prescrição de "alguns fármacos devidamente protocolados para a gravidez de baixo risco".

Lusa

26 de agosto de 2011

Comentários

Artigos Relacionados