saltar menu

SAPO Família - Article

logo impressão
O Nosso Bebé

O Nosso Bebé

menina_totos_birra_chao_casa_318x239_ONB_dr.jpg

Receita anti-manha

7 maneiras de evitar a birra

Se se entender a birra como uma dificuldade de expressão, há várias maneiras para ajudar desde cedo a evitar o que mais tarde se pode transformar numa birra monumental.

 

1. Sentimentos para fora

A primeira delas é auxiliar a criança a verbalizar o que está a sentir, como aconselha a psicanalista especializada em desenvolvimento infantil Christina Braga: «Se a mãe explicar ao bebé que ele está a chorar porque está com raiva ou frustrado, ele vai aprender a conhecer os seus sentimentos». E não pense que está a falar em vão. Desde muito pequenas, as crianças percebem o que ouvem, nem que seja apenas pela entoação dos pais.

 

2. Muita calma nesse momento

O segundo passo é dar alternativas para que a criança se acalme. Aqui vale um pouco de tudo: um passeio no parque, fazer festinhas a um cãozinho ou o bom e velho colo, desde que não seja isto que a criança está a pedir. O importante é a mãe ajudar o filho a arranjar um repertório de soluções para manter a calma e não deixar que o nervosismo se instale.

 

3. Diálogo sempre

A terceira tática é sempre conversar primeiro. Se vão a casa de amigos ou ao supermercado e sabe que o seu filho costuma dar espetáculo nessas ocasiões, diga-lhe antes onde vão, o que vão fazer, que ele tem de ficar ao seu lado ou ajudar nas compras, por exemplo. Na primeira vez pode não funcionar e, assim, deve lembrar-lhe do que conversaram. Ao fazer desta combinação uma rotina, nas próximas vezes é provável que as coisas corram bem.

 

4. Pequenas frustrações

A quarta dica diz respeito às regras. Uma boa forma de ensiná-las é, de acordo com Cristina Braga, introduzir pequenas frustrações para crianças por volta do ano de idade como, por exemplo, fazê-la esperar um pouco pelo biberão, não dar colo sempre que solicitado ou, ainda, fazê-la aprender a esperar que os pais terminem uma conversa ao telefone para brincar com eles. «A frustração faz parte da vida. Se os pais forem introduzindo isto de maneira simples, criam, a longo prazo, uma criança emocionalmente mais forte, que aprende a tolerar, respeitar, a ser mais confiante e mais segura», explica a psicanalista. O seu filho não vai aprender numa única vez –vai ser preciso conversar, falar e ensinar de novo e de novo – e, claro, mesmo com todas estas técnicas, cada criança tem um tempo para amadurecer.

 

 

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE: Birra na certa!

Comentários

Artigos Relacionados